Situação legal de concubinas, namoradas e companheiras em relação à lei francesa.

 

Ola pessoal

 

Voces viram que o presidente Hollande se “separou” da sua companheira Valerie ?

Bom, depois de ver tanto comentario pela net tipo “ela vai tirar tudo dele”. “Ela fica com a metade de tudo que ele tem” etc. Resolvi escrever este artigo.

 

Valérie Trierweiler nunca foi casada com o presidente Hollande e nem o estatuto de “primeira dama” foi aceito pelos franceses, embora ela tenha feito este papel. Ela não tem como “tirar” alguma coisa do presidente, pois não eles não tem filhos. Em relacionamentos informais, mesmo que durem 10, 20 anos, ninguém tem direito a nada. Nem a heranças, etc. Muitos no Brasil comentarem que ela era “interesseira”, sem saber dos fatos, sinceramente ela pode ter varios defeitos, e a maioria dos franceses nunca gostou dela, mas sinceramente, ela não estava com o Hollande por dinheiro.

 

Agora, usando este exemplo e direcionando a nossa realidade para dar informações que podem salvar a sua vida (brincadeirinha) e o seu tempo:

 

Eu recebo muitos e-mails de moças e senhoras que viveram por aqui com franceses ou mesmo em relacionamentos a semi-distancia (com alguns encontros esporadicos nas ferias), e ao terminarem o namoro, perguntam “então, o que eu tenho direito agora $$$$?”, como se merecessem um premio por terem “aguentado” o companheiro ou namorado.

 

 

Enfim… culturas diferentes e leis completamente diferentes. No Brasil a mulher ainda é vista pela lei como um objeto para procriação e “rainha do lar”, que merece “pagamento” pelos serviços prestados aos homens. A mulher, de acordo com as leis brasileiras, mesmo só sendo namoradas e nem vivendo sob o mesmo teto, tem direito a um dinheiro para “compensar o tempo despendido”, em função do homem, em detrimento da sua própria vida. Depois de 2 anos tem até direito a herança.Eu conheço mulheres que ao arranjarem um namorado largam tudo, pra dedicar-se inteiramente ao seu amor…

 

 

Aqui na França, a lei não acha que as mulheres “param de viver”, só porque estão namorando, seguem trabalhando, enfim continuam a ter a sua vida independente. Alias nem estimulam esse tipo de atitude de largar tudo por causa do ser amado.

 

Enfim, isso tudo é para dizer que Pacs, concubinagem, namoros, e afins não dão direito a restituição financeira. Casamento só da restituição financeira se for feito com contrato de comunhão total de bens, se não só os filhos é que tem direitos. Ah, detalhe, aqui voce herda dividas também, se for casada, se não paga perde tudo, casa, etc. Então cuidado com os gastos do seu amor frances, ou do pai ou mãe do seu amor. Pode sobrar pra voce…

 

Companheiros, ligados por Pacs , tem alguns direitos, como o de declarar impostos juntos, e de um ser dependente do outro na segurança social (Assurance Maladie). De resto, nada mais. Não há direito a vistos, heranças, pensões de viuvez, etc. Você segue sendo sempre “solteiro” aos olhos da lei.Voce pode requerer uma pensão por velhice se voce vive aqui ha mais de 15 anos legalmente, mas por viuvez não.

 

 

Namorados, companheiros ligados por união de fato ou concubinagem não tem direito a declaração de impostos conjunta nem a declarar ninguém como dependente.Terminado o namoro, é so um obrigado querida, to indo…

 

 

Acredito que agora fique mais fácil de entender o porque da importância da luta dos homossexuais em relação a legalização do casamento. Realmente aqui, para assegurar o futuro do companheiro, só casando.

Somente casados podem adotar uma criança e um ficar um como pai e outro como mãe (ou dois pais e duas mães), mas namorados não tem como, um adota, o outro pode ensinar a criança e lhe chamar de pai, mas legalmente o companheiro ou namorado da mãe não pode ser o pai adotivo da criança.

Enfim… estes são apenas alguns esclarecimentos, até pra ajudar voce a decidir que tipo de relacionamento voce quer pra voce caso encontre o principe encantado/a por aqui.

 

 

 

 

30 Comments
  1. Oi Alexia, me desculpa fugir um poquinho do tema. Mas enviei um email para o Brasil e ainda não obtive resposta, acabei apelando pra você. rs

    Estou em Amsterdan, depois vou pra Itália e termino minha eurotrip em Paris. Estou com dois amigos que tem passaporte europeu, mas eu não, pensamos em ir a Guiana Francesa na volta, ao invés de seguirmos direto pra São Paulo. Só que Brasileiros precisam de visto para entrar na Guiana Francesa, a minha pergunta é: Eu consigo ir em algum lugar aí em Paris conseguir esse visto para passar 3 dias em Caiena?
    Mesmo que não consigas me ajudar, obrigado por esse site maravilhosos e cheio de informações!

    • Oi Thi

      Tudo bem?
      O visto para a Guiana francesa não pode ser conseguido “em transito” ou em fronteira. E necessario retirar no pais de residencia.
      Teria de ser mesmo no consulado frances no brasil… aqui é impossivel ja que voce esta aqui como turista.
      Lamento mesmo!
      Abraços
      Alexia

  2. Olá Alexia!
    Já visitei seu blog algumas vezes pois sempre encontro informações interessantes.
    Estou passando por uma situação similar a da Mel, e por falta de conhecimento e boa vontade do consulado da França na minha cidade, estamos tristes por não encontrarmos uma solução.
    Quem sabe você poderia nos mostrar o caminho.
    Namoro um francês a quase dois anos, e estamos para falir entre idas e vindas para matar a saudade.
    Ele trabalha em uma multinacional e estava tentando uma vaga na unidade no Brasil, pois tenho uma pequena empresa de consultoria e queria continuar essa empreitada, concordamos que seria melhor ele vir.
    Porém a possibilidade de vir para o Brasil têm se mostrado cada vez mais distante e agora em janeiro ele sugeriu que fizéssemos o PAC e como não aguentamos mais ficar longe e as viagens estão esgotando nossas reservas financeiras, acabei concordando em ir.
    Desde então começamos a pesquisar sobre a possibilidades de permanência e pensei em solicitar o visiteur, mas o valor que tenho que apresentar têm complicado meu lado.
    Podemos fazer o PAC no período de permanência como turista e depois solicitarmos um de maior permanência? Ele vêm ao Brasil em Abril e a intenção é que ao retorno dele eu tbm vá e encaminhamos o PAC para que eu possa buscar um visto de maior permanência.
    A atendente do consulado aqui na minha cidade n tem ajudado muito.
    Desde já obrigada pela atenção e desculpe pelo “aluguel”.

    • Ola Mirna!

      Tudo bem?
      Voce não aluga nada.. é um prazer responder as duvidas dos leitores, até porque servem pra outros leitores na mesma situação.
      Falando em situação, o seu caso com o seu namorado é diferente do da Mel com a namorada. Elas vão se casar aqui.
      No seu caso, o PACS so da direito “tentar” um visto depois de prova legal de que voces estão vivendo juntos por pelo menos um ano – o PACS so serve como mais uma prova.
      No caso do casamento, o visto é um direito, no caso do PACS, ele é somente mais um ponto de apreciação no seu dossier.
      Veja que no artigo acima eu escrevi este paragrafo:
      Companheiros, ligados por Pacs , tem alguns direitos, como o de declarar impostos juntos, e de um ser dependente do outro na segurança social (Assurance Maladie). De resto, nada mais. Não há direito a vistos, heranças, pensões de viuvez, etc. Você segue sendo sempre “solteiro” aos olhos da lei.Voce pode requerer uma pensão por velhice se voce vive aqui ha mais de 15 anos legalmente, mas por viuvez não.

      Voce para vir pra ca viver precisa de um visto de long sejour, não tem como chegar aqui como turista, fazer um pacs e ficar um ano ilegal a espera de poder pedir um visto – até porque os vistos so podem ser pedidos na area de residencia da pessoa, ou seja se voce vem como turista e depois fica ilegal, o seu pais de residencia continua sendo o Brasil, oficialmente. Note que como eu ja disse, o pacs exige provas de vida em comum de forma legal. Voce como um turista não tem como ficar por um ano, somente 3 meses. Para comprovação de vida em comum voces vão precisar de prova de impostos no nome dos dois, conta bancaria conjunta, aluguel no nome dos dois, voce vai precisar provar que tem seguro de saude (com o pacs voce tem direito a ser dependente dele mas somente com apresentação de algum visto de long sejour), enfim, impossivel simplesmente chegar e ir ficando, não ha como pagar impostos, ter conta bancaria, ou mesmo alugar alguma coisa estando ilegal.
      Seu noivo não tem como comprovar essa renda pra voce? se ele se dispor a declarar que voce ficara na casa dele, por conta dele, e que ele a sustentara financeiramente, desde que ele ganha um minimo de 2000 euros e néao tenha mais ninguém a cargo dele, da pra fazer o pedido do visto visiteur, ja colocando na carte de motivação que seria para voces viverem juntos, fazerem o pacs, etc.
      Tente conversar com ele, se não houver meios financeiros pra ele sustentar voce aqui, casem, assim voce pode ja começar a trabalhar e ajudar em casa.
      bjos e boa sorte.

      • Alexia,
        Você ajudou demais. Nossa! Muito obrigada. Ele já havia sugerido sobre declarar que eu ficaria com ele, pois o visto visiteur não me permite trabalhar. Mas a senhora do consulado aqui em Belém, falou, falou e deu a entender que eu não poderia usar desse meio. Com a comprovação de renda dele, facilita a nossa vida um montão.
        Obrigada mais uma vez, você é muito simpática e atenciosa com seus leitores e “perguntadores”.
        Bjs :)

        • Ola Mirna
          Desculpe demorar pra responder. A principio o pessoal do Consulado é instruido para desanimar e dificultar qualquer pedido de visto de long sejour (triste mas verdade). Eles chegam até a dar informações falsas. Tem uma moça que veio pra ca com um visto visiteur que quando chegou perguntando por este tipo de visto, a senhora lhe disse que “era so pra quem tinha amigos no governo“. Da pra acreditar???? Enfim, voce pode sim ter o seu companheiro como sponsor. Não pergunte muito no consulado, pegue a lista no site, prepare uma pasta com tudo o que é pedido, peça para o seu namorado entregar uma declaração dizendo que ele se responsabiliza por voce dando casa comida e roupa lavada rsrs (brincadeirinha), com uma copia do passaporte dele (ou documento de indentificação provando que ele é frances), mais comprovante de salario (3 ultimos meses), comprovante de que ele tem apartamento alugado no nome dele (ou se estiver no nome de outra pessoa, neste caso a outra pessoa tem de fazer uma cartinha dizendo que da casa comida e roupa lavada pra voces).
          Bom, prepare tudo, marque o bendito rendez vous e entregue o dossier. Pronto!
          bjos e boa sorte. Estou aqui na torcida..
          Alexia

  3. Oi! Então, eu queria tirar uma dúvida. A minha namorada vai começar a faculdade na frança e ela tem a cidadania Portuguesa (mas ela é brasileria). Queremos nos casar na frança, e assim poderei obter um visto permanente pra morar com ela lá. Acontece que nós não sabemos se será possível eu me casar com ela e permanecer no País, até toda a documentação e visto saírem. Tem como me ajudar?

    • Ola Mel

      Voce poderia ficar aqui se ja viesse com algum tipo de visto. Depois de 3 meses voce ficaria sem permissão de ficar aqui se viesse sem nada. Daria pra fazer o truque de ir e voltar de UK mas isso não é 100% garantido que funcione.
      A principio casados com cidadãos europeus residentes aqui tem direito ao visto, porém voces tem de apresentar provas de que podem viver aqui (renda), que tem moradia, que estão com seguro de saude, etc. Pra casar aqui tem de estar vivendo aqui pelo menos um mes (uma de voces – mesmo a sua noiva portuguesa).
      Existem prefectures de police que entregam o visto normalmente e rapido pra quem casou aqui, outras fazem um problema, demoram, mandam de volta ao Brasil, enfim. Depende muito de onde é. Aqui vai o link com as informações oficiais:
      http://vosdroits.service-public.fr/particuliers/F930.xhtml

      bjos pra voces e boa sorte!

      • Nossa Alexia, como foi bom falar contigo! Se não for pedir muito, pode me tirar outras dúvidas? Em maio ela irá, e eu ficarei até setembro/outubro no Brasil. Se até então eu tirar o meu visto de turista, e dentro desse prazo de 90 dias eu me casar, posso permanecer? O nosso plano é que ela vá primeiro, arrume tudo, e eu fico pra tirar meu visto e passaporte, assim que fizer isso, vou pra Lyon. com o meu visto de turismo, eu caso com ela e já corro atrás de um visto permanente.Exemplo: Ela vai alugar uma casa pra nós, porque vai estudar na universidade de Lyon, então isso já poderia comprovar moradia, certo? A mãe dela vai mantê-la lá até ela conseguir um estágio. Como comprovariamos renda, dessa maneira? Como conseguiriamos provar que moramos juntas? Acha que é possível?

        Espero não ter embolado as minhas ideias. Beijo!

        • Oi Mel
          Voces vão morar em Lyon!!!! eu amo lyon. As pessoas são super simpaticas e a comida é uma maravilha. E a cidade, por néao ter passado nas mãos do Haussman rsrs é super antiga, masi que Paris.
          Voce não tem nenhum visto de turista que possa tirar se voce for braisleira. brasileiros não precisam de visto para turismo.
          Voce pode pedir um visto de long sejour categoria visiteur de 1 ano. Não ha vistos permanentes antes de 5 anos de residencia, e mesmo os vistos chamados “permanentes” são de 10 anos. Enfim, não é tão simples assim. Quanto ao aluguel, peça para ela colocar o nome de voces duas se possivel.
          Outra nameira é vir pra ca, casar e voltar ao Brasil pra pedir o visto no consulado.
          Enfim, tanto faz de onve vem o dinheiro, desde que voces provem que tem 3000 euros por mes isso é o que importa.(dois SMICS – salarios minimos).
          bjos e boa sorte, e quando voces vierem a Paris entrem em contato!
          Alexia

    • Não é não. Ele pode casar com quem quiser pois ele é solteiro. Ela é que é ainda casada, nunca se divorciou do ex-marido.
      Se ela fosse divorciada não poderia ainda usar o nome do marido e se chamaria Valerie Massonneau, nome de solteira.

    • Típico comentário de uma mentalidade machista…
      Até parece que ela foi amarrada, amordaçada e levada na marra a desfrutar de tudo o que a vida ao lado de um grande político pode proporcionar…
      Realmente, Holande deve ser péssimo em tudo para ela não ter aproveitado nada também…
      Ah, me poupe!!!!
      Até quando nossa sociedade vai ver a mulher como uma coitadinha indefesa que só serve de ao desfrute dos espertos machos predadores???
      Lamentável esse tipo de mentalidade, mas que se pode esperar de um país subdesenvolvido em tudo como o Brasil?
      Bem diferente de tudo o que nossa querida Alexia descreve das terras francófonas…

      • kkkk sem comentarios rsrs. Voce tem toda razão. E também, ja se foi o tempo que o homem ia conversar com o papai da moça pra tratar do casamento. Se a mulher quer casar, é so falar. Não tem de viver esperando.
        Abraço Sidinei!
        Alexia

  4. Bom dia Alexia
    Voce pode exclarecer a diferença entre Comcubina, namorada e companheira?
    obrigada pela atensão.

    • Ola Marialva

      Tudo bem?
      Aqui vai:
      Concubina é como era a Valerie para o Hollande, vivia com ele, mas não eram casados.
      Companheira é quando ha um contrato, tipo PACS, por exemplo.
      Namorada é quando o casal não mora junto nem é casado, mesmo sendo uma união super estavel, de 20 anos. mas o termo companheira ou companheiro usado amplamente (até entre amigos e colegas), porque ninguém diz “a minha concubina” rsrs.
      Acho que é isso.
      bj

  5. Grande Alexia, como de hábito teus artigos gotejam cultura e exalam educação! É sempre um deleite poder desfrutar (ainda que a tamanha distância) de tuas palavras.
    O presente artigo além de deveras esclarecedor demonstra claramente o adiantado grau de civilização da pátria de Voltaire e o quanto ainda o Brasil engatinha em questões tão profundas e sérias como esta.
    O mais constrangedor a meu ver (e creio que na visão de muitos outros também) é a fama de “interesseira” (popularmente conhecida como “biscate”) que a mulher brasileira tem a nível nacional e internacional. É vergonhoso que (e não foram poucos os comentários que ouvi neste sentido, inclusive da parte de mulheres!!!) tantas vejam o relacionamento não como uma comunhão onde duas pessoas JUNTAS constroem uma vida, mas como uma torpe modo de extorquir algum lucro de outro, muitas vezes vendo os filhos não como uma realização pessoal, mas uma bizarra forma de previdência privada!!!
    Profundamente lamentável. Evidentemente que há pessoas assim dos dois lados do Atlântico, mas enquanto do lado de cá impera essa cultura, no velho mundo as mulheres tem ambições de valor: uma carreira, um ou mais cursos superiores, constituir uma família de verdade ou atingir o sucesso profissional, etc, etc, etc…
    Aqui a ambição máxima é participar de um reality show ou ser destaque de escola de samba no carnaval ou ter a menor mini-micro-saia no baile funk…
    Perdoe-me se estendi-me demasiado, mas tu me inspiras…

    • Ola Sidinei

      Otimo este comentario seu, como tantos outros que costumas fazer.
      Realmente a cultura dos contos de fada ainda impera no Brasil. A mulher, (sempre linda, claro), casa com um marido que ira sustenta-la para o resto da vida, extremamente agradecido por ela se prestar a “perder o seu tempo” com ele.
      Mas ao analisarmos bem, antigamente as mulheres não trabalhavam e se dedicavam ao lar, mas ao casar os pais da noiva entregavam o “dote” ao marido, ou seja, uma contribuição para o inicio de vida do casal. Não era somente chegar com as mãos abanando e querendo “lucrar”. Mulher sem dote casava com homem sem posses, pra casar com homem com posses tinha de ter dote.
      Essa da mulher entrar somente com o “corpinho” e com a “inteligencia brilhante” (rsrs) é nova. Alias até nos “contos de fada” as princesas casam com o principe, mas elas são princesas, com castelo, fortuna etc.. rsrs Até a Cinderela (a famosa gata borralheira) afinal tinha grana kkkkk
      Enfim, deixando de brincadeira, casamento é como uma empresa, exige 50% de esforço de ambos. Essa de um dar 100% e o outro so colher os lucros não existe.

      • Bom dia! Não resisti, e estou aqui de novo. Me divirto e cresço também ao ler o que voces escrevem (Alexia e Sidnei). Pois é, Alexia, nem tinha me lembrado dessa coisa do dote, mas embora medieval, sabe que acho justo, justíssimo? Deveria ser obrigatório, não o dinheiro em sim, mas o investimento no trabalho, nas construção de uma vida a dois. Suas respostas pras perguntas sobre o que ganhar estão certíssimas, ganhamos uma família, filhos que nos ensinam a cada instante, a oportunidade de trabalhar junto com nosso marido companheiro para a realizacão e crescimento dos nossos projetos, a permissão para estar num País que prioriza a educação em todos os aspectos. Pobre daqueles que não conseguem enxergar isso e que só vêem no dinheiro a única forma de valor. Um beijo carinhoso pra voces dois, e continuem escrevendo, por favor.

        • Ola Catia
          Bom dia!
          Voce falou tudo. A oportunidade de ter filhos, ajuda-los a crescer e aprender com eles, construir uma familia, tudo isso não tem preço.
          Ja é um “lucro” enorme. Independente do tipo de relacionamento (se casamento, ou união informal), é necessario o investimento na construção de uma vida, por parte de todos os integrantes. Cada um tem o seu papel.
          Eu acho que aqui na França, legalmente, ambos os conjuges (casados) são responsaveis por lei pelas despesas da casa, arrumação, educação e saude dos filhos. Ha uma obrigatoriedade legal de ambos se ajudarem e contribuirem e um paga as contas do outro em caso de dividas. Não ha “trabalho de homem” e “trabalho de mulher” separadamente. E por lei ambos tem o direito de trabalhar (e o outro não pode se opor), essa de “parei de trabalhar e me anulei por causa do fulano” não tem base legal por aqui.
          bjo Catia

  6. Alexia, como é bom ler o que voce escreve, clareza, sinceridade, isso pra mim é tudo. Apesar de viver com meu marido há mais de 15 anos, tenho minha permissão para estar aqui porque meus filhos são Franceses. Ainda assim, tive que comprovar com documentos que eu contribuí para o sustento e educação deles. Sinceramente, acho mais do que justo. Outro aspecto daqui que aprovo, é que não há lugar para a chantagem “se separar, fico com as criançås e não permitirei visitas”. Aqui a guarda é compartilhada, como a obrigação do sustento cabe aos dois – pai e mãe. E só pra relaxar, meus filhos já me disseram pra eu me comportar bem direitinho, senão me “devolvem” pro Brasil kkkk Estou me esforçando bastante! Beijo pra voce e boa semana.

    • kkkkkkkkk Catia essa foi boa. Adorei essa de te devolverem para o Brasil rsrs.
      agora falando serio, obrigada pelos comentarios que voce faz aqui no Blog e pelas dicas. Eu como não tenho filhos “esqueci” este pequeno detalhe importante – a guarda conjunta.
      Eu também tive de comprovar que tinha “condições” de viver aqui com o meu marido rsrs. Depois de varios anos ainda tivemos de comprovar que de fato estavamos vivendo juntos, com documentos legais tipo conta bancaria conjunta, papeis do apartamento, impostos.
      Acho certo, tem gente que vem pra ca exclusivamente pra “se aproveitar” tanto do conjuge como do governo.
      Eu ja recebi emails perguntando Alexia, o que eu ganho se tiver um filho aqui na França? E se eu casar? A minha resposta é se voce tiver um filho voce ganha uma criança (ou duas se forem gemeos), se casar ganha um marido rsrs.
      bj
      Alexia

      • HAHAHAHAHAHAHAH!!!!!!!!!!!!!!

        Chorei de tanto rir: “você tiver um filho você ganha uma criança (ou duas se forem gêmeos), se casar ganha um marido!”
        Com o perdão da expressão, Alexia, mas essa matou a pau!!!
        Definitivamente, teu blog é de leitura obrigatória!

        • rsrs obrigada Sidinei. Mas também..isso é pergunta que se faça?
          Tem gente que ainda acha que estamos na grecia antiga, onde as mulheres eram valorizadas porque “faziam soldados”. Hoje em dia a maioria dos jovens nem faz serviço militar, enfim, ter filhos ja não é mais um serviço à segurança dos paises rsrs. Ter filho hoje em dia é opção. E casar também.

  7. Ola Alexia

    Estou super contente de ler o seu artigo, mas confesso que fui enganada. Achei que teria direitos como no Brasil, com união estavel, e estou perdendo a minha vida, parei de trabalhar, etc por conta do meu companheiro. Agora vou ver o que posso lucrar, e se não der mesmo, volto pro Brasil.
    Obrigada.

    • Oi Naiara

      Lamento com o que aconteceu com voce. Infelizmente na França amor não foi feito pra “lucrar”. Vendo por outro lado, so o fato de voce nem precisar trabalhar, ser sustentada pelo seu companheiro, viver aqui na França… Acredito que ja seja um lucro enorme! A maioria de nos, mulheres, trabalha e contribui de igual pra igual em casa. Eu bem que gostaria de manter o meu nivel de vida sem precisar trabalhar rsrs.
      Bjos e seja feliz.
      Alexia

  8. Parabéns pelo seu post sobre concubinato, casamento, etc… Muito esclarecedor! Acredito que ajudou muita gente! Gostaria que aqui também fosse assim, seriam evitados muitos processos que so engrossam a massa existente causando uma morosidade judicial incalculável!
    Nao sei se voce tem possibilidade de aclarar um pouco sobre a questão da herança aí na França! Existe liberdade para fazer testamento ou é como aqui no Brasil que se tem extrema dificuldade para afastar os chamados herdeiros necessarios, mesmo que tenham se afastado da família e sejam completamente estranhos! Aqui quem tem patrimônio e conhecimento acaba tendo que vender os bens para transformá-los em dinheiro vivo e assim poder dar para quem quiser!, senão vão para os chamados herdeiros necessários, infelizmente!

    • Ola Carmelinda

      Voce pode fazer testamento aqui e dar uma percentagem para quem voce quiser, mas não pode deserdar os filhos por completo, afinal se os filhos estão longe é porque não tiveram nem ajuda nem chance alguma no local de origem – é normal as pessoas terem de se deslocar pra poder trabalhar – meu caso por exemplo.
      Aqui se chamam de herdeiros naturais os filhos e esposa, e na falta dos filhos ou esposa, os pais, irmãos, sobrinhos etc.
      Voce pode doar em vida. Pela lei aqui voce não pode deserdar totalmente porque os herdeiros naturais podem herdar as dividas também, que é responsabilidade da familia que ficou, pagar.
      Existe uma diferença aqui que é o caso dos filhos se desvincularem totalmente de toda e qualquer responsabilidade financeira dos pais, se “deserdando” por vontade propria – judicialmente, pra evitar problemas com contas dos pais. Ja os pais tem responsabilidade em relação aos filhos, porque so tem filho quem quer ne? Pais a gente não pode optar,mas filhos é uma opção.
      Acho que seria isso, enfim é basicamente a mesma coisa que no brasil mas se trata com notario diretamente, não ha necessidade de advogados, etc.

  9. Oi Alexia. Sempre leio seus posts com grande interesse, pois tenho laços ¨franceses¨. Meu avo rea francês, consegui há uns 3 anos cidadabia francesa e desde então estudo a Língua francesa.
    Acgei suas ultimas postagens super interessantes, explicando as diferentes leis entre Brasil e França, e, consequentemente, a explicação das diferenças de comportamento .
    Continue enviando ente olhar ¨Brasileiro ¨sobre a França.
    Nós agradecemos
    abraços Dulce Mara Berger

    • Ola Dulce!
      Tudo bem?
      Que bom ter o seu comentario, e saber que voce aprecia os artigos. Realmente eu ando me baseando nas noticias francesas e brasileiras pra me “inspirar” um pouco… Parabéns pela conquista da cidadania francesa!
      Volte sempre!
      bjos
      Alexia

Comments are closed.