Chinon, Carlos VII e Joana D’Arc

 

CHINON, CARLOS VII E JOANA D’ARC

por
(Romulo M. Ribeiro)

A única coisa que me vem ao espírito, quando penso naquele castelo imponente, além daqueles condes, reis, e o encontro decisivo entre Joana D’arc e o futuro rei Carlos VII é o frio. Fico imaginando como seria morar, ou de repente “se esconder” na época, naquele imenso castelo-fortaleza de Chinon. A paisagem, vista das torres, é digna de qualquer filme de ficção, onde as águas do rio Vienne, brincam de espelho com o céu e as nuvens incessantes; ondes são os corvos que mandam naquele espaço celeste, naquelas árvores seculares. Mas o inverno é bem frio, e nota-se, pelos tamanhos das lareiras do castelo, que na época o povo devia botar muita lenha naquelas fogueiras.

A cidade de Chinon é cercada pelos rios Vienne e Loire, a imensa floresta de Chinon – muitos animais selvagens ainda vivem naquele espaço – e as infinitas vinhas. O famoso vinho de Chinon, assim como outros da região, são frutados na degustação. Se guardamos o vinho na boca, podemos sentir um curioso gosto de argila no fundo da língua. Ao olfacto predomina-se o olor de cassis.

Mas, voltando à historia, fora naquele castelo que Carlos VII recebera Joana D’arc. Ela tinha somente 17 anos e dizia ter tido visões e visitas de anjos. E que recebera “ordens” e instruções divinas para salvar a França, e que o rei, em apuros, não poderia recusar uma ordem vinda de entes superiores: ele deveria lhe confiar um exército. Como todos os franceses temiam algum atentado ao futuro rei, em plena e eterna guerra contra os ingleses, as autoridades e os mais próximos de Carlos VII, até então regente secreto, resolveram organizar uma pequena cerimônia, onde um outro homem se vestiu, simulando ser o Delfim (golfinho, que na França é o termo para designar o herdeiro de um trono).

Joana D’arc, ao ser apresentada ao “falso” rei, não se convenceu. Deu uma volta entre os convidados e se ajoelhou em frente ao verdadeiro Carlos VII, cuja identidade era completamente desconhecida do povo. Todos ficaram impressionados, e foi o início de uma grande cumplicidade entre a força de um reino e a força de um espírito ( eis que a jovem Joana não tinha muita força para segurar sua espada, mas ganhara todas suas batalhas, inclusive as de Orleans, Reims e Compiegne, liberarando a França de seus invasores).

A cidade de Chinon fica a 240 km de Paris e, entre suas caves trogloditas, seus vinhos saudáveis, seu festival “musica show” (início de julho), seus bares e restaurantes, entre os quais o “le cafe français”, merece uma boa visita. Sem contar com os outros castelos tão próximos, como o de Saumur, Azay-le-rideau e o “chateau d’Ussé” – os jardins foram desenhados por Le Nôtre (*) – que inspirara Charles Perrault em seu fabuloso conto “A bela adormecida”.

Para ir à Chinon por transporte comum, o mais simples seria pegar o TGV (trem bala) na gare de Montparnasse, em Paris – 50 mn até Tours, e pegar um ônibus – 30mn – até Chinon. As reservas podem ser feitas pela internet pelo site http://www.sncf.com/fr/.

Pode-se também alugar um carro com carteira internacional e GPS. Fala-se portugues no hotel ‘Le Plantagenêt’ 12 Place Jeanne d’Arc – Chinon(www.hotel-plantagenet.com/)

* le nôtre também desenhou os jardins de Versalhes, entre outros.

 

One Comment
  1. Muito bom o post. Leitura agradável e prazerosa.Muito útil para que pretende visitar a França. Abrs.

Comments are closed.