Dicas de viagem! O que vestir em Paris no verão!

maio 1, 2012 | Posted in Cultura Francesa, Turismo dicas | By

Verão em Paris, o que colocar na mala?

Ola pessoal!

Em primeiro lugar, gostaria de esclarecer uma coisa que faz um pouco de confusão com o pessoal no Brasil, que não esta sempre viajando. Quando é inverno no Brasil, aqui é verão. Quando é primavera aqui, é outono no Brasil, ou seja sempre ao contrario. Pode parecer obvio para os viajantes acostumados, mas acreditem que muita gente não sabe.

Então, vamos falar um pouco do que colocar na mala para estar preparada para o verão parisiense.

E normal as pessoas ficarem um pouco inseguras ao virem para Paris, já que aqui os parisienses terem fama de andarem sempre na ultima moda e ligarem muito para estilo, etc.

Vamos começar então pelo começo:

O conceito de moda aqui é bem diferente do que no Brasil. Apesar da Europa ser dita como lançadora de moda para o resto do mundo, o Brasil segue muito mais o estilo Americano de vestir (eu costumo chamar de moda Miami, ou moda Califórnia, cabelos mechados e alisados, roupa sexy, você sabe do que eu estou falando né?).

Os parisienses estão mais preocupados em acessórios do que em outfits completos da moda, ate porque aqui, pela qualidade e preço das roupas (sem crediário…) não se tem como ficar fazendo shopping terapia todo o sábado. As pessoas usam as roupas ate não dar mais mesmo, inventando, criando, pintando e bordando (as vezes literalmente rsrs), com o que tem. Por isso echarpes e cintos são um must por aqui. Assim se muda o visual com uns poucos euros, sem precisar ficar comprando blusas e calças o tempo todo. E de resto, vivem usando e repetindo os seus básicos de qualidade que compraram a 10 anos atras.

Vamos então as dicas:

Ah… o verão! Corpo a mostra!

Hora de mostrar que todas aquelas horas malhando na academia valeram a pena, mostrar que você esta em plena forma e que nem aparenta a idade que tem, certo? Não. Pelo menos em Paris.

 Aqui não se tem cultura nem moda de praia. Não traga shorts ou blusas com costas de fora, porque depois você não pode entrar nas igrejas ,etc. Bermudas (larguinhas) são bem vindas mas saias são mais polivalentes, dando pra usar de dia, com sapatinho tipo bailarina e camisete ou camisetinha lisa, e de noite com sapatos sociais e uma blusa bonita você já esta pronta para jantar em um lugar fino ou mesmo ir ao Moulin Rouge, etc. Esqueça a roupa de academia em casa.

Não compre roupa nova pra vir. Roupas por aqui não ficam velhas, elas se tornam “ vintage”. Pode usar sem medo, desde que sejam de boa qualidade. Sapatos bons pra caminhar são sapatos velhos, usados e amolecidos, portanto nada de ficar gastando os euros que você poderia usar pra gastar por aqui comprando um sapato pra vir.

 Tenha cuidado com estampas muito florais ou oncinhas, porque elas são muito casuais e depois fica difícil de usar se você precisar ir a algum local que exija traje social. Prefira as cores lisas e mantenha-se fiel a uma paleta de cores para não precisar trazer muita coisa. Uma saia tipo secretaria em cor neutra tem muito mais utilidade do que uma saia florida, a não ser que você saiba combinar muito bem com outras coisas bem discretas.

 Não mostre muito a pele: Se você esta com uma blusa muito aberta, cubra as pernas. E Vice versa. Tenha atenção a sua idade: aqui as pessoas se vestem de acordo com a idade, mesmo estando com o corpo bonito, umas bermudas curtas podem ficar ótimas em uma adolescente, mas não são muito bem vistas de você já passou dos 50. Mesmo que você tenha lindas pernas.

 Prefira sapatos fechados ou bailarinas para andar pela cidade, sandálias cansam muito os pés e podem ser usadas de vez em quando mas não todos os dias. A não ser que você esteja bem acostumada em usá-las.

 E por ultimo, mas não menos importante: Não se vista para “arrasar”. Aqui ninguém faz isso (só os turistas).

Mesmo que o seu intuito seja encontrar o seu príncipe encantado por aqui, os franceses não encaram muito na boa essa coisa de popuzuda, leggings com tops curtos, e minivestidos super ultra sexy – você corre o risco de ser mal interpretada.

Mantenha-se discreta e assim você chamara a atenção pelo lado positivo e não pelo negativo. Invista na maquiagem, no cabelo, enfim, tem varias coisas que você pode fazer para ficar bonita sem ficar muito provocante. No Brasil é super normal, mas aqui não. O meu marido mesmo ate chama essas oncinhas, leggings e botas por fora da calça apertada de “estilo brasileiro”. E para quem quer saber, ele não acha bonito.

 Enfim, resumindo, entre um minivestido apertado de costas de fora e umas calças de linho largas e uma camisete, fique com a segunda opção. No mais, relaxe, você esta de férias e no verão é mais provável que você veja mais os outros turistas por aqui do que franceses.

 Agora, uma lista do que você deve colocar na mala:

 1 Saia reta clássica lisa, ou saia plissada, lisa também

2. Uma bermuda ou saia mais informal.

Sapatilha, sapato boneca, sapatenis, enfim, sapatos bons pra caminhar. Ou espere para comprar uns Mefistos por aqui. Esses são sapatos super confortáveis para caminhar, franceses. Campers são ótimos também, porém são espanhóis. Traga uns scarpins para sair a noite.

Calça jeans – 1 somente, para viagens de trem, passeios no campo tipo em Giverny ou Versailles, etc.

3 Camisas ou camisetes de cor lisa

2 Calças de linho largas para andar no dia a dia. De preferencia a fibras naturais: Rami, seda, canhamo, algodão, também são ótimos.

3 camisetas pequenas (não traga camisetas coloridas com coisas escritas na frente, traga tipo baby look lisas que assim você pode colocar echarpes e estar bonita.

Echarpes e lenços de seda.

Aproveite para trazer as suas joias ou bijuterias que você herdou da sua avo e nunca usou porque no Brasil coisa velha não se usa. Aqui você vai fazer o maior sucesso com um detalhe vintage no seu outfit. Lenços antigos, bolsinhas do tempo do guarana de rolha, broches do tempo que a sua bisa ainda era mocinha, enfeite de cabelo, enfim, vale tudo desde que não seja uma peça de 10 centímetros de tamanho, é claro (tirando a bolsa, é claro, essa poder ser maior do que 10 cm, logico).

Enfim, aproveite para testar os seus dotes criativos e traga peças básicas, muitos acessórios de qualidade, lenços , etc (deixe os brincos de plastico e bijuterias douradas de 10 cm para a sua viagem aos USA).

 Atenção:

Esta é somente a minha opinião. Na realidade, desde que voce não esteja usando burka, tudo é permitido.  De resto, algumas restrições quanto as igrejas, restaurantes finos, Moulin Rouge e nada mais.

Leia mais...

Eleições para presidente na França: O que muda na vida dos turistas e moradores Brasileiros por aqui.

abril 29, 2012 | Posted in Cultura Francesa, Vistos e permanencia, Viver em Paris | By

Ola a todos !

Tenho recebido muitos e-mails a respeito das eleições presidenciais aqui na França. Como todos sabem, o atual presidente francês, Sarcosy, não é muito amigável com os estrangeiros (imigrantes) e muitos brasileiros tem tido dificuldades em conseguir visto nestes últimos meses mesmo depois de casados com cidadãos franceses, coisa que nunca tinha acontecido.

A boa noticia é que provavelmente ele não se reeleja. Engraçado que ele mesmo é casado com uma estrangeira, mas não vamos entrar em discussões a respeito do Sarcosy e a sua politica anti imigração, até porque na verdade a politica visa muito mais os cidadãos das ex- colonias francesas que vem pra cá e trazem a família inteira para se aproveitarem dos subsídios do governo,etc. Mas acaba sobrando pra todos, visto que não pode haver leis especificas para cada nacionalidade e o “justo paga pelo pecador” rsrs desculpem a frase feita…

Então aqui vão umas dicas para quem esta pensando em vir viver aqui, ou mesmo a turismo: Não quero entrar em analises politicas ou sociais, vou tentar ser clara e simples:

Os Brasileiros continuam super bem recebidos como turistas, as pessoas andam mais nervosas do que o normal pelas ruas porque a diferença do que sera a vida de todos se o Sarcosy ou Hollande vencer é grande. Daqui a pouco tempo, em 6 de maio, tudo se esclarece, com certeza dando a presidência para Hollande. Não se preocupem porque se você pegar um francês estressadinho pela frente fique descansado porque não é nada pessoal…

 Quanto a vistos para quem é casado com franceses ou europeus em geral: Estes dois últimos meses o Sarcosy tem mesmo dado ordens para dificultar muito o processo do visto, portanto, se você puder esperar só mais um pouquinho e dar entrada no seu visto depois do Hollande vencer, seria melhor.

Depois de saberem os resultados de quem sera o presidente, os consulados e Prefectures de Police irão começar a serem mais amigáveis com os cônjuges de cidadãos franceses ou europeus. Se você esta por aqui, casado com francês/a e sem visto, espere que tudo se acerta com o Hollande.

Para os turistas:

Quanto ao dia das eleições, não há feriado, esta tudo aberto (museus, etc) e deve haver alguma manifestação pelas ruas, mas nada que atrapalhe os seus passeios.

Leia mais...

Louis Vuitton, a historia de perseverança de um jovem que entrou para a historia da moda

janeiro 20, 2012 | Posted in Compras em Paris, Cultura Francesa | By

Mal se pronuncia o nome Louis Vuitton, o famoso monograma LV vem nas nossas mentes. Essa marca, mais cobiçada e copiada no mundo, é um símbolo de luxo e know-how, o símbolo de sucesso para todos os adoradores de qualidade, historia e de moda. Louis Vuitton também é o simbolo do sucesso da perseverança e do idealismo.

A saga da Vuitton tem suas origens em uma pequena aldeia remota no berço Jura, Anchay.Louis Vuitton (nascido em 1821) vem de uma família pobre de moleiros e carpinteiros. Aos 14 anos, ele resolve viajar, a pé, (400 km!) para Paris, para aprender durante uma jornada de dois anos, como trabalhar com madeira.

Depois, o jovem Vuitton é contratado como aprendiz de um fabricante de baús de viagem (antigas malas) que era usado pela alta sociedade em suas mudanças e viagens. O jovem rapaz trabalhou muito para criar alguma coisa diferente, que fosse alem de útil, pratico e bonito. O conceito de aliar beleza e praticidade foi pioneira na época.

Louis Vuitton

Louis Vuitton

O destino extraordinário de Louis Vuitton está ligado a Napoleão III , pois ele se tornou o favorito da Imperatriz Eugenie, em 1853. A partir dai, a sua sorte começa a mudar e ele começa e ver os frutos de tanto trabalho e pesquisa.

Com seu sucesso, Louis Vuitton fundou sua própria empresa no ano seguinte e se mudou para a Rue des Capucines.

A sua grande primeira idéia, foi criar um tecido altamente resistente, revestido, que irá substituir o couro. Um golpe de gênio: usar um material menos restritivo do que a pele natural e com melhor cheiro, porque as malas de couro da época eram famosas pelo mal cheiro.

Louis Vuitton - publicidade de 1898

Louis Vuitton - publicidade de 1898

 

Gradualmente, Louis Vuitton vai obedecer as necessidades de sua clientela abastada, melhorando a pele (couro e a sua nova invenção de tecido revestido), criando o conceito de malas “a prova d’água”, e lidando com os cantos das malas (com ponteiras de metal), etc

Vuitton vai seguir passo a passo a evolução da moda e as exigências da sua clientela, criando novos modelos, e comecando a fazer bolsas para o dia a dia.

Ele também se adapta aos novos meios de transporte: ele vai acompanhar o lançamento dos primeiros trens, barcos a vapor, e depois também vê o surgimento dos carros. As malas (antes em estilo bau de viagem) tem de se tornar cada vez mais leves e portateis.

Em 1859, a oficina se muda para a Rue Scribe, as pessoas começam a viajar mais e as malas rígidas dão lugar as malas flexíveis, mais leves, estilo bolsas de viagem, em vez dos antigos baus.

A Marca LV foi sempre caracterizada pelo monograma. As malas sempre tiveram o seu nome escrito.

Sem duvida, o jovem Louis Vuitton tinha uma ótima ideia de marketing. Ele foi o pioneiro na ideia de lançar bolsas com designer, e criar uma marca.
Nesta altura, as copias e falsificações começam também a aparecer. Hoje em dia, a LV é a marca mais falsificada no mundo.
Muito foi desenvolvido desde la, e criadores como Marc Jabobs, Takashi Murakami entraram para a família LV para engrandecer ainda mais as diferentes linhas e modelos das bolsas.

Na verdade, todas as outras bolsas de marcas famosas surgiram imitando os passos da Louis Vuitton, não em estilo ou modelos, mas em conceito. Ele foi o pioneiro, ele foi quem pesquisou como criar modelos, enfim, qualquer bolsa hoje em dia deve alguma coisa a esta marca.

Antes das bolsas LV, as pessoas usavam uma especie de saquinhos como bolsas de mão. Você pode ver nos filmes…

Diferente de muitas outras marcas, a empresa LV hoje em dia, faz questao de patrocinar artes, museus e teatros no mundo inteiro, tem ótimas condições de trabalho para os funcionários (beeeem diferentes da Nike, por exemplo). Enfim, essa é uma empresa politicamente correta.

O tempo passou e a LV diversificou os seus produtos, e temos desde sapatos, joias, relógios, etc. Mas as bolsas continuam sendo o forte da marca.

Agora, termino este artigo com alguns fatos sobre as bolsas LV:

 

Louis Vuitton - publicidade atual

Louis Vuitton - publicidade atual

  • As bolsas Louis Vuitton verdadeiras não tem defeitos de fabricação. São perfeitas, e o monograma nunca e cortado ao meio em uma bolsa.
  • Essa bolsa não é uma bolsa para ser usada somente em momentos especiais, uma Louis Vuitton é feita para ser usada no dia a dia, porque e super-resistente e durável. Essa e uma bolsa “pra bater mesmo”.
  • As LV não são as bolsas mais caras do mundo nem são consideradas bolsas de snobe, ou de “quem quer aparecer”, pelo menos na Europa. Esta cheio de gente no metro usando bolsas da LV. Depois da Longchamp, a LV é a marca mais vista na mão das francesas (claro, sem contar as bolsas sem marca, que são a maioria sempre, quem qualquer lugar).
  • As bolsas mais caras do mundo são as bolsas da Hermes. Estas bolsas chegam a 40.000 euros. As bolsas LV Variam entre 300 e 3.000 euros. Grande diferença.
  • O conceito de “ter 50 bolsas diferentes” não faz parte da cultura europeia. Aqui as pessoas tem 1 bolsa para o dia a dia, uma para viagem e outra para festas. Assim podem investir em alguma coisa de qualidade, porque sabem que vão usar a bolsa por muito tempo, pela vida inteira mesmo.
  • As bolsas LV passam de mãe pra filha e ficam mais lindas a medida que o tempo passa. Não existe o conceito de que “você tem de ter o ultimo modelo”.
  • A louis Vuitton nunca entra em liquidação, nunca faz promoções e não e vendida em outros locais que não sejam as lojas da Louis Vuitton. Comprar uma LV falsificada incentiva o trabalho escravo, infantil, e o crime organizado. Se você não pode comprar uma bolsa legitima, compre uma bolsa original qualquer, de outra marca, existem modelos lindíssimos para todos os gostos e bolsos que são comercializadas por empresas honestas.
  • As bolsas LV são fabricadas na França, Espanha e Estados Unidos. Não existe LV legitima feita em outros locais. A LV não tem fabricas em países de terceiro mundo para se aproveitar de salários baixos e mas condições de trabalho. Qualidade em primeiro lugar!
  • Eu costumo acompanhar pessoas em compras por aqui, e quando se fala em LV, a maioria dos brasileiros faz cara feia, porque é um bolsa de snobes, etc. Preferem gastar o mesmo dinheiro (ou muito mais) comprando 10 bolsas diferentes. Pra que 10 bolsas? Coisas culturais…
  • Temos que ver pelo lado ecológico também. Quanto mais quantidade de produtos você consome, mais você degrada os recursos naturais do planeta. Ter UMA bolsa para usar todos os dias (ou boa parte deles) da sua vida é muito mais PC (politicamente correto) do que comprar 100 bolsas ou mais no decorrer dos anos. E sai mais barato, mesmo que a sua única bolsa seja uma Louis Vuitton cara.

 

 

 

Leia mais...

Compras em Paris: como analisar se as roupas e accessórios que você esta comprando valem o preço que você esta pagando

outubro 16, 2011 | Posted in Compras em Paris, Cultura Francesa, Turismo dicas | By

Você sabe avaliar se uma roupa ou óculos que você esta pensando em comprar vale mesmo a pena?

Uma das coisas que nos pensamos quando viemos a Paris é investir em alguma coisa de qualidade, que realmente não falta por aqui.

Óculos, bolsas sapatos, cintos, roupas, enfim, o que não faltam são opções. Vamos analisar como decidir na hora de investir uma grande quantia de dinheiro neles.

Roupas: Mulheres, de uma forma geral, não resistem quando chegam a Paris e veem todas estas marcas famosas e grifes que são muito mais caras no Brasil, e não pensam duas vezes antes de comprar alguma coisa de marcas europeias ou mesmo americanas. Mas vale mesmo a pena?

Quanto a qualidade, vale a pena sim, mas sera que vale a pena você comprar?

Roupas de marcas como Chanel, Armani, Dolce e Gabana, etc, são realmente de alta qualidade e vão durar pra sempre. Se você optar por um modelo mais clássico, você terá a sua roupa para o resto da vida. Como escolher então o que comprar?

Invista em algo que você vai usar mesmo. Coisas de qualidade são resistentes e duráveis, e é melhor investir em algo que você vai usar regularmente, portanto não pense em comprar um vestido de festa super chamativo se você não costuma ir a muitas festas. Eu, por exemplo, prefiro muito mais investir em roupas usáveis no dia a dia. Calças da Armani e da Calvin Klein, assim como Republic of banana’s, blazers para o dia a dia fazem parte do meu guarda roupa, sendo as peças compradas nas lojas mesmo, ou nos outlets.

Óculos, sapatos e acessórios:

Existem marcas ótimas para óculos, e outras que tem linhas de óculos de sol como parte da coleção de roupas. Saiba analisar quais são as especialidades das marcas: Prada e Jimmy Choo para sapatos, Guess para jeans, Armani para ternos, blazers, camisas e calças, Ray ban para óculos e… claro, Louis Vuitton para bolsas e carteiras. Escada faz muita coisa boa, desde óculos, sapatos ate perfumes.

 

Agora, o que fazer se você não conhece a marca da roupa e quer avaliar se a roupa vale a pena?

  • E importante, em primeiro lugar, ver a etiqueta e de que material e feito.
  • Roupas feitas com fibras naturais, misturadas com uma percentagem pequena de sintético ou seda duram mais.
  • Verifique como se lava a roupa. Se você não é de lavar roupa fina a mão, e gosta de jogar tudo na maquina, não compre coisas que sejam para lavar a mão. Por melhor que seja a qualidade da roupa, se você não seguir as instruções de lavagem, você estraga a roupa.
  • Veja se a roupa é para ser lavada a seco e avalie se vale a pena.
  • Não compre nada que contenha acrílico. Esse sintético fica com cara de velho e com bolinhas depois do primeiro uso. É jogar dinheiro fora.
  • Só compre roupas que venham com botoes sobressalentes, e melhor ainda, com a linha para você costurar o botão. Ficar com uma roupa sem poder usar só por causa de um botão perdido é uma pena.
  • Botoes sobressalentes também são uma dica de que a qualidade da roupa e boa.
  • Repare nas costuras interiores da roupa: fios soltos, costuras tortas pedem que você coloque a roupa de novo na prateleira.
  • Roupas e jeans com costura forrada por dentro são um ótimo sinal de que a roupa e de boa qualidade.
  • Qualquer roupa de la em tweed tem de ter forro. Não compre calcas nem casacos sem forro porque é sinal de péssima qualidade e dão alergia ao entrar em contato com a pele.
  • Tweed de linho com viscose, por exemplo, pode ser comprado sem forro se as costuras forem forradas.
  • Avalie se a roupa esta vestindo bem e tem um bom corte. Roupa de boa qualidade tem bom caimento.
  • Veja se os botoes são feitos em algum material mais nobre, como madrepérola, metal, ou madeira. Botoes de plastico não são bom sinal, a não ser que a roupa seja uma calca social, por exemplo, onde um botão de outra cor não ficaria bem.
  • O mesmo para zipers: os de metal duram mais, mas temos de avaliar se o estilo da roupa suportaria um zíper de metal. Novamente, as calcas sociais não ficam bem com um zíper tao pesado.
  • Existem vários tipos de linho, e aquele que é lisinho, e você não vê as bolinhas no fio, são de melhor qualidade, mais finos. Não que o linho com bolinhas no fio não seja bonito e durável (eu acho lindo), ele é um linho mais barato, portanto não pague uma fortuna por linho que não seja totalmente liso.

Se você é como eu, que prefere qualidade a quantidade (eu tenho somente 5 bolsas – todas boas), invista em uma Louis Vuitton, mas se você é daquelas que tem 30 bolsas em casa e adora variar de acordo com a cor da roupa, não vale a pena, pegue o dinheiro e compra montes de outras coisas legais que você vai usar mais.

Vale lembrar que no Brasil as pessoas compram e usam roupas baseadas em moda, portanto se você não se vê usando a mesma bolsa por 5 anos consecutivos, não gaste dinheiro nelas. Eu ando usando as mesmas 5 bolsas rsrs há mais de 5 anos…mmmm talvez seja tempo de comprar outra…

Se você precisar de ajuda para guiar as suas compras, eu estou disponível para levar você em lojas que são a sua cara! É só entrar em contato.

Leia mais...

Dicas de presentes para dar para franceses

agosto 24, 2011 | Posted in Cultura Francesa | By

Se você tem algum amigo ou amiga francês(a), ou é amigo(a) de alguém casado com um francês, e esta pensando em trazer ou enviar qualquer coisa “made in brazil” aqui vai uma listinha das coisas brasileiras que os franceses adoram e vão ficar muito gratos!

Esta lista é composta de coisas que com certeza vão agradar muito quem receber. Os franceses e famílias francesas de modo geral, adoram arrumar a casa e ter coisas bonitas na parede ou na cozinha. Qualquer coisa tipica mais simples como pano de pratos bordados é muito bem vindo. Aliás acho que com certeza estas coisas da lista também agradam brasileiros que estão fora do Brasil a muito tempo também.

 

  1. Sandálias havaianas
  2. Cachaça
  3. kit para fazer caipirinha (copo, socador, etc)
  4. Qualquer bijuteria de pedras semi-preciosas do Brasil. Pode ser também uma pedra ametista bonita pra decoração, se você esta disposto(a) a carregar o peso.
  5. Esculturas e artesanato brasileiro para decoração da casa, coisas tradicionais ou modernas são bem vindas.
  6. Toalhas de renda made in Bahia
  7. Roupas de algodão made in Bahia
  8. Cosméticos da natura ou qualquer marca que tenha produtos naturais, com ervas ou sementes da Amazônia.
  9. Castanhas do para, de caju, frutas cristalizadas.
  10. Kit para tratamento de queratina para o cabelo (a moda pegou por aqui, e é caaaro…)
  11. Condicionadores da “Seda” (não vale os Pantenes da vida porque tem aqui).
  12. Camiseta da seleção brasileira (não espere ver eles usando a camisa, mas eles gostam de “ter” no armário)
  13. Bikini (não escolha muuuuito cavado porque aqui não se usa, mas ter uma roupa de praia made in Brazil é trés chic por aqui).
  14. Cangas, saídas de praia e bronzeadores com Urucum.
  15. Um cd de bossa nova.

     

Os franceses não são muito de usar coisas sintéticas e não apreciam muito coisas de plastico. Se você não puder comprar alguma coisa legitima, e melhor pensar em alguma outra coisa. A única vestimenta que pode ser de tecido sintético e mesmo a camisa da seleção, porque eles não vão usar mesmo.

Coisas de madeira, metal, algodão, palha, canhamo ou linho são muito bem vindas. Ate um porta moedas é bem vindo, desde que seja feito em couro ou tecido natural, ou palha.

 

 

Leia mais...

Dicas de turismo: Comer e beber na França

agosto 10, 2011 | Posted in Cultura Francesa, Turismo dicas, Viver em Paris | By

Na França, de maneira geral, se toma café da manha (petit dejeuner) entre sete e oito da manha. O almoço (le dejeuner), entre meio dia e uma hora da tarde, e o jantar (le diner), entre sete e oito e meia da noite. Os franceses costumam convidar os seus amigos para jantar em casa, por volta de duas horas antes tomam “l’aperitif” – o aperitivo. E depois do jantar costumam propor um digestif – o digestivo.

Diferente de varias outras culturas, recusar bebidas alcoólicas não é mal educado. Se você não quiser beber é só dizer que não, não precisa inventar que esta tomando medicamentos ou que é alérgico.

As refeiçoes familiares, sobretudo em épocas festivas, podem durar varia horas e os pratos servidos parecem infintos.

Como os franceses vão servindo os pratos aos poucos, em vez de colocar tudo na mesa, tente comer pelo menos um pouco de cada coisa, e não se encha muito para não sobrecarregar o estomago.

Se você não comer alguma coisa, você terá de ficar esperando o outro prato que sera servido somente depois que todos terminarem o prato (não precisa limpar o prato, coma o que você puder ou quiser).

Outra coisa, não existe muito a opção de repetir o prato, portanto não peça mais, porque muitos outros pratos virão em seguida. Tente não demorar mais do que os outros e acompanhe o ritmo, porque e meio chato fazer todos os outros ficar a espera de você terminar de comer para eles poderem passar para o prato seguinte.

 

Se você for convidado por algum francês ou família francesa para comer, nunca apareça de mãos abanando. Leve alguma coisa. Você pode levar o vinho ou a sobremesa (você pode comprar uma torta de framboesa, que todo mundo gosta!), ou mesmo flores.

Na minha opinião, levar o vinho pode ser meio complicado porque normalmente as pessoas que cozinham já selecionam os vinhos que irão ser servidos com o jantar então se você for intimo de algum dos membros da família é melhor perguntar que vinho eles preferem. Não esqueça de cumprimentar quem cozinhou, não somente o dono da casa. É simpático elogiar as comidas quando você prova elas, e pode ate perguntar o nome do prato, como se faz, enfim, mostre algum interesse pela comida.

Para os franceses, culinária é uma arte, e deve ser apreciada como tal. Não comece a dizer que sua mãe faz um prato parecido, nem que o prato ficaria melhor se fosse com feito com a carne brasileira.

Detalhe: nunca, em hipótese alguma, apareça com um pack de cerveja em um jantar com franceses!

Se você estiver indo a casa de casais mistos (francês e brasileiro, por exemplo), pergunte quem vai cozinhar e que estilo sera o jantar, se francês ou brasileiro. Se for brasileiro, e super simpático aparecer com uma garrafa de cachaça mesmo, e de preferencia limão e todos os ingredientes para fazer uma caipirinha. Ah, certifique-se primeiro se na casa já existe um fazedor de caipirinha oficial, e se tiver, fale com ele/a o que seria bom levar e deixe ele/a dar o show.

 

No restaurante:

Na França, pode-se encontrar muitos restaurantes que oferecem especialidades estrangeiras. Devido ao seu passado colonial, os restaurante norte-africanos são bastante numerosos. Se você tem um espirito curioso e tempo, vá a um desses pequenos restaurantes algerianos ou tunisianos: o Couscous é um prato delicioso. Tem também a cozinha marroquina, que é rica em cores e sabores, sendo considerada uma das melhores do mundo.

É claro, aproveite também para degustar os inúmeros pratos regionais franceses também!

Se você estiver apressado ou não quiser entrar em um restaurante para comer, escolha um dos vários sanduíches que podem ser comprados em praticamente todas as esquinas e padarias.

Não esqueça que nos restaurantes o “menu” é o “pacote” que vem incluído o prato principal, sobremesa, ou prato principal e entrada, enfim, veja com atenção as diferentes opções.

Os restaurantes normalmente exigem que você peca entrada, prato principal e talvez sobremesa. Se você quer algo mais simples e rápido, opte pelas inúmeras brasseries, cafés ou creperies, porque nestes lugares você pode pedir somente um prato (grande!) que vem com a refeição completa. Sai mais rápido e mais barato.

Leia mais...

Descobrindo Paris: As margens do Rio Sena e as suas pontes

junho 5, 2011 | Posted in Cultura Francesa, Pontos turisticos | By

O Rio Sena sempre foi importante para o desenvolvimento cultural e econômico de Paris, de fato, podemos dizer que foi imprescindível.

Essa importância pode ser medida pelo número de monumentos que estão localizados perto de seu curso. Desde a Torre Eiffel (7eme) ate a Biblioteca Nacional da França (13eme), as margens do rio estão cheias de monumentos históricos. Um passeio de bateau mouche ou mesmo a pé, ao longo do rio sena é uma das melhores formas de ver o centro de Paris, através das suas margens.

Para você se situar um pouco na historia e entender mais sobre a importância das pontes que você vai encontrar, ligando tanto a rive gauche com a rive droite como ambas as margens com as ilhas no meio do sena (Ile de la cite e Ile Saint Louis), aqui vai um resumo da historia de Paris, visando exclusivamente as pontes:

Idade Média ao século XVI: As primeiras pontes são construídas em Paris

O Sena é um lugar rico e variado. No centro, ao redor de Ile de la Cité, as casas são também construídas umas sobre as outras, diretamente sobre o rio, sobre as pontes. A cidade de Paris se resume basicamente em Ile de la Cite. Lugares como o conhecido e central (hoje) Quartier Latin são considerados “subúrbios” nesta época.

O primeiro cais aparece no início do século XVI com a construção do Rei Filipe, o Belo, o Quai des Grands Augustins. As pontes são todas cobertas com casas de madeira, sendo estas um dos motivos da grande poluição que já se encontrava no rio nesta época (somente sendo resolvida seculos mais tarde).

Os arcos estreitos das pontes são ocupados por fábricas e outras atividades.

A Pont-Neuf (a ponte mais antiga de Paris, tem uma estacão de metro com o mesmo nome), nascida da vontade real, foi construída a partir de 1578. Esta é a primeira ponte onde não foi permitido casas construídas em cima.

XVII e século XVIII: o nascimento das docas em Paris

O desejo de embelezar e limpar Paris faz com que haja uma profunda transformação do Sena.

A criação em 1753 da Place Louis XV (agora chamada de Place de la Concorde) foi acompanhado da construção de um cais ao longo das duas margens (rive droite e rive gauche).

Casas construídas diretamente sobre o rio (em cima das pontes) são, então, demolidas, apesar da resistência dos moradores, que não gostaram nada da ideia de terem as suas casas destruídas.

O espaço liberado é reservado às margens ao redor das ilhas para a criação de cais mais elevados.

O século XIX: o triunfo de pontes e o embelezamento de Paris

Este século é marcado pela construção massiva de pontes que melhoraram a comunicação entre ambos os lados. Cada reinado desempenhou o seu papel e contribuiu como construtores em Paris, encorajados pela crescente urbanização e a expansão da capital. Em 1870, 15 pontes foram construídas, mais do que durante todos os séculos anteriores. A navegação é muito ativa nesta época. O Sena é o local preferido das Exposições Internacionais, realizada em Paris de 1855-1900.

O século XX: a convivência com o automóvel

É hora de conciliar o compromisso (e o conflito) dos usos das pontes: a circulação a pé e com carros.

O uso do Sena diminui e o tráfego se espalha por Paris com a construção de estradas em terra. Muitos produtos e mercadorias que antes vinham para Paris através do Sena começam a vir por terra. A Ponte Charles de Gaulle simboliza o fim do século com o seu longo avental horizontal.
Deixe-se levar por um passeio ao longo do Sena e descubra um panorama interessante, que não se limita somente às pontes. As margens do Sena são Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

 

Aqui a lista das 37 pontes de Paris, com links para a wikipedia, para você saber mais sobre cada uma delas, assim como ver as fotos também:

  1. Pont amont
  2. Pont National
  3. Pont de Tolbiac
  4. Passerelle Simone-de-Beauvoir (somente para pedestres), inaugurada em 13 de julho de 2006
  5. Pont de Bercy
  6. Pont Charles-de-Gaulle (1996)
  7. Viaduc d’Austerlitz
  8. Pont d’Austerlitz
  9. Pont de Sully (que atravessa a parte leste da l’Île Saint-Louis)
  10. Pont de la Tournelle (entre la rive gauche et l’Île Saint-Louis)
  11. Pont Marie (entre l’Île Saint-Louis et la rive droite)
  12. Pont Louis-Philippe (entre l’Île Saint-Louis et la rive droite)
  13. Pont Saint-Louis (somente para pedestres, entre l’Île de la Cité et l’Île Saint-Louis)
  14. Pont de l’Archevêché (entre la rive gauche et l’Île de la Cité)
  15. Pont au Double (entre la rive gauche et l’Île de la Cité)
  16. Pont d’Arcole (entre l’Île de la Cité et la rive droite)
  17. Petit-Pont (entre la rive gauche et l’Île de la Cité)
  18. Pont Notre-Dame (entre l’Île de la Cité et la rive droite)
  19. Pont Saint-Michel (entre la rive gauche et l’Île de la Cité)
  20. Pont au Change (entre l’Île de la Cité et la rive droite)
  21. Pont Neuf (atravessa a ponte oeste da l’Île de la Cité, a mais antiga (apesar do nome…), foi construída entre 1578 et 1607)
  22. Pont des Arts (para pedestres, esta é e ponte onde os casais colocam os cadeados pendurados)
  23. Pont du Carrousel
  24. Pont Royal
  25. Passerelle Léopold-Sédar-Senghor (1999) (somente para pedestres, antiga Passerelle de Solférino, renomeada em 2006)
  26. Pont de la Concorde
  27. Pont Alexandre-III
  28. Pont des Invalides
  29. Pont de l’Alma (em baixo desta ponte tem o túnel onde morreu a princesa Diana)
  30. Passerelle Debilly (apenas para pedestres)
  31. Pont d’Iéna
  32. Pont de Bir-Hakeim (atravessa a l’Île aux Cygnes,a terceira Ilha de Paris, pouco conhecida pelos turistas)
  33. Pont Rouelle (viaduto ferroviário da ligne C do RER atravessando a l’Île aux Cygnes)
  34. Pont de Grenelle (atravessa a l’Île aux Cygnes)
  35. Pont Mirabeau
  36. Pont du Garigliano (antigo Viaduc d’Auteuil ou Viaduc du Point-du-Jour)
  37. Pont aval

Leia mais...

Entenda melhor a cronologia da história da França para poder aproveitar ao máximo o seu passeio em Paris

maio 29, 2011 | Posted in Cultura Francesa | By

Alem de todos os detalhes que cercam o planejamento de uma viagem, um fator importante para aproveitar ao máximo a sua temporada em Paris é lembrar um pouco da historia da França que todos estudamos na escola.

Paris é um museu a céu aberto, e as vezes pode tornar-se um pouco frustrante olhar tudo por aqui sem entender como ela foi feita e quem construiu o que. Vocês verão as datas de quando cada monumento foi contruído nos panfletos informativos que temos a disposição aqui, então com esta lista vocês podem saber exatamente quem começou e quem terminou cada obra.

Pensando nisso, resolvi fazer uma lista de datas e períodos importantes na historia da França, para você poder entender melhor o que cada rei fez pela cidade, e quando eles viveram. Muito destes nomes vocês irão ver por aqui, em estatuas, nomes de ruas, etc.

Segue aqui a minha lista (é uma especie de resumo), comentada, para ajudar você a se situar no tempo e no espaço quando vier a Paris:

 

10 000 AC Era Paleolítica

5000 – 2500 AC Era Neolítica – Existem provas de civilizações desta época já habitando Paris, mas eles não deixaram construções nem existe nada desta época nas ruas de Paris, foram encontrados vestígios em escava coes, mas muito pouca coisa. A área da França onde tem mais vestígios desta época fica no Sul da França

51 AC – 486 DC Gaule (Ainda não existia o pais “França”, mas essa época ficou bem conhecida por nos através das historias do Asterix, os gauleses que foram uma eterna dor de cabeça para o império romano)

486 – 751  Merovingiens – Dinastia dos 3 primeiros reis da Franca:

481 – 511  Rei Clovis – Ele se converteu ao catolicismo e foi quem criou o pais “França”.

629 – 638 Dagobert I

721 – 737 Thierry IV

751 – 987  Carolingiens – Segunda dinastia de Reis franceses:

751 – 768 Rei Pepin le Bref (o Breve)

768 – 814 Charlemange (conhecido por nos como Carlo Magno, não foi um rei somente, mas um grande e poderoso imperador, ate hoje considerado pelos franceses um heroi nacional. Foi quem deu ordem as igrejas de educar as criancas, alfabetizando e dando ensino basico. Foi então o criador das escolas na França.

843 – 877 Charles II

877 – 879 Louis II

879 – 882 Louis III

898 – 923 Charles III

936 – 954 Louis VI

996 – 987 Louis V

987 – 1328 Capetiens , Rei Hugues Capets – Terceira Dinastia de Reis franceses: Pode-se dizer que foi a partir desta dinastia que Paris realmente se desenvolveu como a capital do Pais.

987 – 996 Hugues

996 – 1031 Robert II le Pieux (O piedoso)

1031 – 1060 Henri I

1060 – 1108 Philippe I

1096 – Construção da Basillica Vézelay

1108 – 1137 Louis VI

1130 Construção da Abadia de Fontenay

1137 – 1180 Louis VII

1180 – 1223 Philippe II (Construiu uma fortaleza onde hoje temos o Louvre, as ruínas deste castelo ainda podem ser vistas no subsolo do Museu). Todos os outros reis que vieram a seguir contribuíram com a construção do Louvre, ate Napoleao. O Louvre que vemos hoje e o resultado do esforço conjunto de todos os reis da Franca (e imperador) a partir de Philipe II.

1223 – 1226 Louis VIII

1226 – 1270 Louis IX

1270 -1285 Philippe le Hardi III

1285 – 1314 Philippe le Bel IV (o belo) – Em 1307 Philippe IV prende e condena por heresia os Templários, com a ajuda do Papa Clement V.

Jacques de Molay (templário mestre) é queimado lentamente em frente de onde é, hoje em dia, a Square Du Vert Galant, em Ile de La cite. Dizem que Jacques amaldiçoou o rei, e o papa no momento da sua morte. O papa Clemente V morreu 1 mês depois da morte do templário mestre, e 5 cinco meses depois o rei morre. Os próximos reis desta dinastia tiveram vida muito curta, marcando o fim da dinastia dos Capetians (parece que a maldição funcionou lindamente…).

1039 – O papa muda para Avignon

1350 – 1364 Jean II le bom (o bom)

1364 – 1380 Charles V

1380 – 1422 Charles VI

1422 – 1461 Charles VII

1431 Jean d’Arc foi morta (queimada)

1461 – 1483 Louis XI

Fim da Idade Media 1486

1483 – 1498 Charles VIII

1483 – 1595 Período do Renascimento

1498 – 1515 Louis XII

1539 – O Rei Francos I declara a língua francesa a língua oficial da França

1559 – 1560 François II, fim da guerra com a Itália

1589 – 1610 Henry IV (assassinado por Ravaillac)

1610 – 1643 Louis XIII

1643 – 1715 Louis XIV Roi Soleil (Rei sol)

1661 Louis XIV começa a construção de Versalhes, que sera a casa dos reis Louis XIV, Louis VX e Louis VXI.

1715 – 1774 Louis XV

1774 – 1792 Louis XVI

1778 As colônias americanas e a França assinaram o tratado militar de 06 de fevereiro.

1789 A revolução Francesa

Tomada da Bastilha em 14 de Julho (este e um feriado nacional hoje em dia, não planeje passeios em museus aqui)

A declaração “Droits de l’homme” (Direitos do Homem) 26 de Agosto

As riquezas da Igreja são entregues a França – 2 de Novembro

1792 Primeira Republica

1793 Louis XVI é guilhotinado em 21de Janeiro (ele estava preso na Torre do Templo em Paris, com a sua família)

1793 Marie Antoinette é guilhotinada em 16 de outubro (depois da morte do seu marido, o Rei XVI, ela foi para a Conciergerie, onde ficou 72 dias a espera da sua morte).

1795 França adota o sistema métrico

1796 Napoleão é nomeado general do exercito Italiano

1799 Criação do Banco da França

1804 – 1814 Napoleão I (esta e a data que ele se tornou imperador, coroando-se a si próprio na Catedral de Notre Dame)

1809 Napoleao conquista Moscou

1814 – 1824 Louis XVIII

1814 Restauração

1816 Napoleão perde a batalha de Waterloo

1821 Morte do Napoleao I

1824 – 1830 Charles X

1830 – 1848 Louis-Philippe I

1848 Segunda Republica

1852 – 1870 Segundo Império com Napoleon III (Sobrinho do Napoleao I) – Reconstrução de Paris com o Barão De Haussmann (prefeito da cidade) entre 1853 e 1870.

1858 Visão de Bernadette Soubrious em Lourdes

1862 Victor Hugo escreve o famoso romance “Les Miserables”

1871 Terceira Republica

1887 – 1894 Sadi Carnot

1889 World Expo em Paris com a torre Eiffel

1898 “J’accuse” é escrito por Émile Zola

1905 Uma lei finalmente separa os poderes do estado e da igreja

1906-1913 Clemenceau

1914 – 1918 Primeira Guerra mundial

1926 Morte de Claude Monet

1936-1945 Segunda Guerra Mundial

Petain 1940-1944

Dia D em 6 de junho de 1944

1944 – 1946 Charles De Gaulle

1944 Em 21 de Abril 21, França finalmente da as mulheres o direito ao voto.

1946 – 1947 Leon Blumme

1947 Quarta Republica

1947-1954 Vincent Henrauriol

1954-1959 René Coty

1959 Quinta Republica

1959-1969 Charles de Gaulle

1962 Fim da guera com a Algeria

1968 – Manifestações estudantis em Maio

1969 – 1974 Presidente Pompidou

1970 Morte de Charles De Gaulle

1974 Valéry Giscard d’Estaing eleito presidente

1981 François Mitterrand eleito presidente

1988 François Mitterrand re-eleito presidente

1991 Edith Cresson, Primeiro ministro

1995 Jacques Chirac é eleito como o quito presidente da Quinta Republica

1996 Francois Miterrand morre

2001 A constituição é mudada, e o mandato do presidente é diminuído para 5 anos em vez de 7 anos.

2002 Jacques Chirac re-eleito presidente

2007 Nicolas Sarkozy eleito como o Sexto Presidente da quinta republica

Leia mais...

Paris Impressionista: Museus Marmottan, D’Orsay e L’Orangerie

abril 12, 2011 | Posted in Cultura Francesa, Pontos turisticos, Turismo dicas | By

A origem de uma revolução artística: 1874. Em meio a hostilidades e rigidez das regras de pintura da época, Claude Monet e seus amigos resolvem fazer uma exposição mostrando uma nova forma de pintar. Essa exposição foi feita em um salão próprio, particular, onde eles poderiam mostrar as suas obras sem ter que entrar dentro do “esquema” estético da época.

A premiere foi um sucesso. A obra de Monet “Impression, Le Soleil” causou um tal efeito no publico da época que deu nome ao novo movimento que surgia: “O Movimento impressionista”.

O Impressionismo mostra elementos de cores contrastantes e pinceladas fortes, usando a luminosidade como fator fundamental. Os temas pintados são temas cotidianos, paisagens locais e populares.

Paris e arredores, assim como a costa da Normandia foram os lugares elegidos pelos pintores a serem retratados e recriados.

Estas obras foram primeiramente expostas no Museu Marmottan-Monet. Instalado em um hotel particular do quartier Ranelagh, este museu expôs cerca de 300 obras de artistas impressionistas, como Renoir e Manet.

O museu Marmottan-Monet ainda hoje expõe grande parte da obra de Claude Monet, sendo considerado por alguns muito melhor do que o Museu de Giverny, onde fica a casa do Monet.

Em continuação ao sucesso do movimento impressionista, cria-se outro espaço dentro do Jardim de Tuileries: O Museu de L’Orangerie.

As margens do Rio Sena, em frente ao Louvre, a antiga gare d’Orsay se torna outro templo dedicado ao impressionismo. O Museu D’Orsay é hoje em dia considerado um dos mais belos museus do mundo.

Estes 3 museus tem uma coisa em comum alem de guardar as mais belas obras do movimento impressionista do mundo: A luz natural que ilumina o ambiente destes museus tornam estes os lugares ideais para expor arte impressionista.

Lugares como Honfleur, Etretat e outras perolas da Costa da Normandia foram retratados por Monet, assim como pelos seus amigos impressionistas.

Jardins, praias, pontes e parques e belas paisagens naturais são retratadas de uma forma fantástica neste estilo de pintura.

No impressionismo não há espaço para retratos de reis e rainhas, nem para pinceladas imperceptíveis fazendo uma especie de “fotografia realista”.

Você vai poder ver cada pincelada do artista, e ver que parece que nenhuma e da mesma cor do que a outra. A mistura das cores da-se ao olhar as pinturas mais ao longe, misturando-se no todo da obra.

Não deixe de reservar um espaço na sua agenda para ver com calma pelo menos um destes museus.

Aqui vão os endereços do impressionismo em Paris.

Clique no web site dos museus para ver um pouco das obras que estão a sua espera:

 

Musee Marmottan-Monet

2, Rue Louis-Boilly, 75016

www.marmottan.com

 

Musee de L’Orangerie

Jardin de Tuileries, 750101

www.musee-orangerie.com

 

Musee d’Orsay

1, Rue de la Legion-d’Honneur, 75007

www.museeorsay.fr

 

Temporada: Os Museus de L’Orangerie e Marmottan estão fechados na terça, o Musee d’Orsay na segunda-feira.

Leia mais...

Culinária Francesa: Dica de como preparar uma Tartiflette

março 29, 2011 | Posted in Cultura Francesa, Restaurantes, Viver em Paris | By

ola pessoal, deixo voces hoje com mais um otimo artigo da leitora Luana Veloso!

Hoje vou dar uma dica super simples de como preparar um ótimo prato com sabor francês! Quando eu morava na França comia em restaurantes todo santo dia ! Sempre que eu chegava ao mercado via aquela infinidades de ingredientes mas não sabia o que fazer com eles! Um amigo meu percebeu que eu gastava todos meus euros comendo e resolveu me ensinar algumas receitas que ele tinha aprendido com o pai dele que é um chef super conceituado na França! Um dos pratos que eu mais gostei foi a Tartiflette, não apenas por ser maravilhosa no quesito sabor, mas por ser fácil de preparar! Fica a dica pra pessoas que moram/ vão morar na França e acham que vão morrer de fome por não saber cozinhar ou para aqueles que gostam de aprender pratos simples e saborosos para os almoços de domingo!

 

RECEITA

Ingredientes:
1,2 Kg de batatas cortadas em 4 partes
350 gramas de Bacon picado em cubinhos
1 lata creme de leite
1 cebola picada
300 gramas reblochon
200 gramas queijo mussarela em fatias finas*
2 colheres requeijão*

* Esse ingredientes não são usados na receita original, eu uso pois no Brasil o creme de leite diferente do “crème fraiche” que ele utilizam na França e também porque fica mais saboroso com mussarela =p

 

1 – Coloque as batatas em água para cozinhá-las
(o tempo para o cozimento depende de cada fogão, porém, não espere elas ficarem muito moles, tire-as da água ainda meio durinhas)

2 – Corte a cebola e refogue junto com o bacon até que o bacon fique bem frito

3 – Unte uma forma com manteiga e coloque uma camada de batatas, depois cubra com uma camada de bacon, adicione outra camada de batatas e finalize com o restante do bacon

4 – Coloque o creme de leite (sem soro), 2 colheres de requeijão e o queijo mussarela

5- Para terminar, coloque o reblochon em fatias em cime e leve ao forno até gratinar

C’est fini! Pode tirar do forno, servir e deixar todo mundo boquiaberto achando que você anda fazendo curso de gastronomia ;-P

 

 

Au revoir!

Luana Veloso

Leia mais...

O melhor lugar para buscar informações sobre a História da França!

outubro 13, 2010 | Posted in Cultura Francesa | By

Olá  a todos, gostaria de utilizar este espaço para ajudar a divulgar um grande projeto e uma grande iniciativa que é a Biblioteca Digital Mundial.

Se você esta interessado em pesquisar mais sobre a Cultura Francesa e a História da França, acredito que você pode beneficiar-se buscando informações valiosas nesta Biblioteca. Outra maneira de usar este acervo é buscando textos em francês para ler, porque além de aprender sobre a história, você estará praticando o seu francês! O acervo também conta com as grandes obras da literatura Francesa, e como a França não faz acordos ortográficos, você poderá ler os textos originais sem problemas.

Não existe um “Frances arcaico” e um ‘Frances atual”. A língua escrita não mudou. É realmente fantástico o respeito que o povo e os governos franceses tem pelo seu passado, mantendo a língua escrita de tal forma que as grandes obras primas da literatura do passado sejam ainda hoje lidas no original.

A Biblioteca Digital Mundial tem materiais importantes tais como manuscritos, mapas, livros raros, gravações, filmes, gravuras, fotografias, desenhos arquitetônicos e outros tipos de fontes originais. Um dos objetivos do conteúdo da Biblioteca Digital Mundial é trabalhar em parceria e colaboração com o Programa Memória do Mundo, da UNESCO, tendo o objetivo de tornar as versões digitais deste acervo acessíveis ao público.

Só pra dar uma idéia do que você pode encontrar aqui vai um link direto para uma das páginas:

O Reino da França

Você pode encontrar conteúdos sobre cada país-membro da UNESCO no mundo.

Estes conteúdo não estão traduzidos, os materiais básicos – livros, mapas, manuscritos, entre outros estão em seu idioma original, mas você pode navegar pelo site em Português, Francês, Espanhol, Inglês, Chinês, Árabe e Russo (as línguas oficiais das Nações Unidas).

As instituições do Brasil, por ser o maior país de língua portuguesa do mundo, desempenharam um importante papel no desenvolvimento inicial da Biblioteca Digital Mundial.

O conteúdo do site foi compilado através de parcerias com Bibliotecas em todo o mundo, a ainda está em desenvolvimento. Todas as bibliotecas do mundo poderão participar e no momento eles estão recrutando voluntários em todo mundo para ajudar a levar adiante o projeto. Bibliotecas, arquivos, museus e outras instituições interessadas em se tornar parceiros podem entrar em contato com a equipe da Biblioteca Digital Mundial.

Todo o conteúdo da Biblioteca Digital Mundial esta aberto para ser pesquisado de graça por: lugar, período, tema, tipo de item e instituição contribuinte, ou você pode pesquisar por palavra, texto, etc. (como você faz no Google, por exemplo).

Não perca a oportunidade de dar uma olhada no site da Biblioteca:

www.wdl.org/pt/

Leia mais...

O mundo francófono

setembro 26, 2010 | Posted in Cultura Francesa | By

O francês é uma língua que descende do latim, sendo assim, é uma língua similar a outras línguas Românicas tais como espanhol, italiano, Português, Romeno e assim por diante.

Nota:

Coloquei links para a Wikipédia, caso você queira saber mais a respeito dos países ou instituições referidas abaixo.

O francês é uma dos principais idiomas do mundo, e uma das mais importantes línguas românicas, com um número de falantes apenas inferior ao do espanhol e português. O francês e a sexta língua mais falada do mundo, utilizada por cerca de 110 milhões de pessoas como língua materna e por 210 milhões, se incluirmos os que a falam como segunda língua. É uma das línguas oficiais ou administrativas de várias comunidades e organizações, tais como:

1.União Européia

2.União Africana

3. Comitê Olímpico Internacional

4.Agência Mundial Antidoping

5.Nações Unidas

6.União Postal Universal

A língua francesa em números:

Falado em: França e 53 outros países Total de falantes: 220 milhões

O francês é a língua nacional ou oficial dos seguintes países:

Bélgica (Bruxelas eValônia), BenimBurkina FasoBurundiCamarões,Canadá (nacionalmente e em New BrunswickQuebec, e territórios externos), ChadeComorosCongoCosta do MarfimDjibutiEstados Unidos da América (Luisiana), VanuatuFrança (incluindo territórios externos), GabãoGuinéGuiné EquatorialHaitiÍndia(distritos de KaraikalPondicherry), Itália (Vale de Aosta), LíbanoLuxemburgoMadagáscarMali,MartinicaMauríciaMônacoNígerRepública Centro-AfricanaRuanda,SenegalSeychellesSuíça (BernaCantão de Friburgo,Cantão de GenebraJuraNeuchâtelValaisVaud),Togo.

Então como você pode ver, o francês é uma língua que além de bonita é bem útil.

Além disso, também há falantes de francês no Egipto, Índia (Pondicherry), Itália (Vale de Aosta), Laos, Mauritânia, Reino Unido (Ilhas do Canal), e Vietname. Ao longo de quase 300 anos, o francês foi também a língua das classes dirigentes e do comércio na Inglaterra desde o tempo da Conquista Normanda até 1362, quando o uso da língua inglesa foi retomado.

Marrocos, Tunísia, Argélia tem a língua francesa como segunda língua.

Então, como você pode ver, aprender francês poderá abrir as portas pra comunicação com muitos países. Então, vale a pena aprender francês? O que você acha? Deixe o seu comentário!

Leia mais...

Sobre a França

setembro 24, 2010 | Posted in Cultura Francesa | By

Origem do Nome

Existem algumas teorias sobre a origem do nome “France”.

1. O nome Francia refere-se à área original do norte da Europa, que era habitada, ou melhor dominada,  por guerreiros germânicos que chamavam a si próprios de francos.

2. Francia é uma adaptação latina do século III do termo Franko(n), nome que os francos a deram quando estavam em seu domínio, atualmente localizada provavelmente no que hoje corresponde à região de Flandres, na Bélgica. Realmente, a partir dos séculos III e IV, os romanos já tinham tido contacto com os francos. Os romanos vieram a contratá-los como mercenários em seu exército, e bem antes das invasões germânicas. O nome Francia, não tem conotação política, mas sim de localização ou sociológica, como Magrebe ou os Bálcãs no século XXI. O povo franco era uma nação de guerreiros que elegia um chefe de guerra denominado rei dos francos, e local livre, sob a sua competência pelos assuntos de guerra.

A guerra era considerada como o valor da liberdade, e a palavra “franco” se tornou, a partir daí, sinônimo de livre, portanto essa palavra queria dizer “homem livre”. Isso porque eles, como conquistadores da região em cerca de 500 DC, tinham esse status.

Leia mais...